20 de fev. de 2013

O cristianismo e o fim do Império Romano de Ocidente



"Ao ocupar as terras do antigo Império Romano do Ocidente, os bárbaros germânicos passaram a conviver com os antigos moradores dessas regiões, geralmente romanos ou galo-romanos. Enquanto os romanos eram pagãos, os galo-romanos e romanos eram cristãos.
A cultura medieval desenvolveu-se a partir da combinação das tradições romanas, preservadas pela Igreja, com as germânicas, trazidas pelos invasores.
[...]
Assim nasceu uma maneira de viver em que se misturavam o ardor religioso e o militar, garantidos pela aliança entre os bispos e os guerreiros.
[...]
Os padres acabaram assumindo muitas tarefas que antes eram feitas pelos funcionários romanos, como registros de nascimento e de casamento. Tinham grande prestígio junto à população por saberem ler e escrever e pela ajuda que prestavam aos pobres [...].
A Igreja, ao se aproximar dos chefes germânicos, recebia terras, objetos preciosos e apoio para expandir a evangelização de outros povos".

Fonte: MARANHÃO, Ricardo e ANTUNES, Maria Fernanda. Trabalho e Civilização - Uma História Global, vol. 2. São Paulo: Moderna, 1999. pp. 13-14.

Um comentário:

Ivani Medina disse...

Se a fé nunca dependeu da história, porque fazem tanta questão desta última? Por que insistem em preservar essa bruma que envolve os primeiros séculos do cristianismo? Não devia ser assim. No entanto, quando fazemos uma aproximação dos fatos com fatos e não com ideias, é possível outra conclusão.
http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver