10 de fev. de 2014

Robinson Crusoé e o liberalismo

Para os alunos da 7ªC da EE Jd. Aurora.

Após um jogo de perguntas e respostas sobre o texto "A Ilustração", quando trabalhamos com os aspectos culturais e filosóficos do período, vamos tratar agora dos aspectos econômicos, com este texto sobre a famosa obra de Daniel Defoe. Confira abaixo:






Robinson Crusoé e o liberalismo.

O navio em que Robinson Crusoé viajava naufragou e ele foi parar numa ilha deserta. Sem pestanejar, Crusoé enumerou suas necessidades: primeiro, construir uma abrigo onde pudesse evitar o frio e os animais selvagens; depois, pescar e colher frutas para se alimentar. Tendo abrigo e com sua sobrevivência garantida, Crusoé passou para outra etapa: investir. Melhorou as condições da casa que montou, construiu equipamentos mais eficientes para pescar e passou a tomar medidas de segurança contra eventuais habitantes da ilha que não fossem muito amistosos.

Robinson Crusoé é o personagem principal do romance de Daniel Defoe (1660-1731), "A vida e estranhas e surpreendentes aventuras de Robinson Crusoé de York, marinheiro", escrito em 1719.

A capacidade de Crusoé construir sozinho os utensílios de que precisava representa o triunfo da capacidade humana de dominar a natureza. O triunfo do indivíduo que busca soluções racionais para satisfazer seus interesses materiais.

Foi essa imagem da capacidade individual que o economista Adam Smith (1723-1790) reafirmou.



Diferentemente de seus colegas Quesnay e Gournay, Adam Smith sustentava que o trabalho era a verdadeira fonte de riqueza. Em seu livro "A riqueza das nações" (1776), defendia um novo sistema econômico, baseado na livre concorrência, denominado liberalismo. O interesse pessoal deveria ser aceito e estimulado. Caberia aos governos ajudar os seres humanos a expressarem seus interesses e, com isso, encontrarem a felicidade.

A observação da rotina das fábricas ajudou-o a perceber a importância da divisão do trabalho para aumentar a produção e baratear os preços dos produtos. O valor do trabalho seria determinado pelas leis da oferta e procura, ou seja, quanto maior a oferta de mão de obra menor o seu valor e vice-versa. Nessa lógica, o trabalho seria adquirido pelo empresário que pagasse mais por ele.

Questões para interpretação do texto:

1. Identifique no texto o principal tema do romance Robinson Crusoé de Daniel Defoe.
2. Esclareça a afirmação do texto de que o personagem Robinson Crusoé representa o triunfo do individualismo.
3. Aponte a relação entre a história e o comportamento de Robinson Crusoé e as ideias de Adam Smith.
4. Indique outros personagens de filmes, novelas, histórias em quadrinhos que, em sua opinião, sejam marcados pelo individualismo. Justifique suas escolhas.


Para pensar:


Obs.: O termo "selfmade man", significa, ao pé da letra, "homem que se fez sozinho", e é a figura da capacidade individual de trabalhar, poupar e enriquecer, afirmada pelo liberalismo.

Nenhum comentário: