17 de fev. de 2020

Fichamento: Antecedentes da República [9º]


Abaixo o fichamento que estamos trabalhando em sala de aula. Vocês devem tê-lo registrado no caderno.


Antecedentes da República

  • Monarquia: O Brasil foi o único país da América a se tornar uma monarquia/império após a independência.
  • Escravidão: Permaneceu mesmo após a independência (assim como na maioria dos países americanos).
  • Fases:
    • 1º Reinado (D. Pedro I).
    • Regencial (regentes governam no lugar do rei, que tinha apenas 5 anos de idade).
    • 2º Reinado (D. Pedro II).
  • Guerra do Paraguai/da Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai): 1864-1870. Motivações internas: disputas pelo comércio fluvial (pelos rios) e terras para a criação de gado. Paraguai desejava uma saída para o mar. Motivações externas: Paraguai era o único país da região fora da zona de influência inglesa, com uma industrialização crescente. Consequências: Muitas baixas de todos os lados (sobretudo do Paraguai que perdeu boa parte de sua população masculina); endividamento.
  • Movimento Abolicionista: movimento pelo fim da escravidão que ganhou força no 2º Reinado. Escreviam artigos em jornais, charges, faziam passeatas e comícios. Além de ações diretas como promover a fuga de escravos e transportá-los para quilombos, negar-se a transportar escravos para serem vendidos, negar-se a publicar anúncios de venda de escravos. Militares também negaram-se a perseguir escravos fugidos, pois militares e escravos lutaram lado a lado na guerra.
  • Leis abolicionistas: Lei Eusébio de Queiroz, 1850 (proibia a entrada de escravizados no Brasil); Lei do Ventre Livre, 1871 (filhos de mães escravas, nascidos a partir da data da lei, seriam livres); Lei dos Sexagenários, 1885 (pessoas a partir de 60 anos eram declarados livres); Lei Áurea, 1888 (declara o fim da escravidão em todo o território nacional - algumas províncias, como Ceará e Amazonas, já haviam declarado o fim da escravidão em seus territórios).
  • Após a abolição: Não houve reforma agrária, os ex-escravos foram empurrados para as periferias. Os imigrantes brancos (italianos, alemães, etc.) e orientais foram preferidos aos ex-escravos como mão-de-obra. Sobrou para os ex-escravos os piores trabalhos, mais penosos e pior remunerados.

Bibliografia

BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História, sociedade & cidadania: 8º ano: ensino fundamental: anos finais. São Paulo: FTD, 2018. 4ª ed.

Nenhum comentário: